( ! ) Warning: Error while sending QUERY packet. PID=11523 in /apps/agracadaquimica/wp-includes/wp-db.php on line 1942
Call Stack
#TimeMemoryFunctionLocation
10.0001234872{main}( ).../index.php:0
20.0002237656require( '/apps/agracadaquimica/wp-blog-header.php' ).../index.php:17
30.619142225576wp( ).../wp-blog-header.php:16
40.619142225840WP->main( ).../functions.php:955
50.619142227312WP->parse_request( ).../class-wp.php:733
60.619642264544get_page_by_path( ).../class-wp.php:236
70.620042268152wpdb->get_results( ).../post.php:4269
80.620142267160wpdb->query( ).../wp-db.php:2511
90.620142267320wpdb->_do_query( ).../wp-db.php:1830
100.620142267368mysqli_query ( ).../wp-db.php:1942
Mercúrio-cromo e merthiolate proibidos, por quê? | A Graça da Química
« »

O mercúrio-cromo e o merthiolate são desinfetantes e bactericidas de uso medicinal bastante utilizados no Brasil. Como material de primeiros-socorros, todas as farmácias e postos médicos de escolas, fábricas e empresas possuem essas substâncias que previnem infecções quando aplicadas sobre ferimentos.

O merthiolate começou a ser fabricado após o mercúrio-cromo, e este após a “tintura de iodo” – uma solução alcoólica ou hidroalcoólica de alguma substância química, geralmente bastante diluída e de uso farmacêutico.

A tintura de iodo em contato com ferimentos ajuda a combater bactérias, porém causa uma certa ardência e manchas amareladas na região aplicada. Essa substância vem sendo substituída pela solução de mercúrio-cromo, que não dói, mas causa uma mancha vermelho-forte em tudo o que toca, parecendo até sangue!
Mercúrio-cromo ou mer-bromim é o nome comum do 2,7-dibromo-4hidroximercurifluoresceína – produto derivado da fluoresceína (C20H12O5), um corante sintético vermelho-forte que fornece solução de cor verde-amarelada por transparência.

O mercúrio-cromo, porém, não possui átomos de flúor nem de cromo. O nome fluoresceína indica a grande fluorescência, visível mesmo em diluições de 1:40.000 das soluções do composto-base e de seus derivados. O termo cromo deriva do termo grego khroma (cor), do qual também provém o nome do elemento cromo.

Já o merthiolate, ou tintura de merthiolate, corresponde quimicamente ao tiomersal chamado também de thimerosal, bactericida e fungicida muito utilizado também em soluções de vacinas e de líquidos protetores de lentes oftalmológicas. É o sal de sódio do mercúrio – [(o-carboxifenil)tio]etil de fórmula química C9H9HgO2SNa.

O mercúrio-cromo e o merthiolate são usados há mais de 50 anos, em todo o mundo. Entretanto, seu uso vem sendo sistematicamente proibido, inclusive no Brasil, por determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Isso devido à composição de suas fórmulas: ambos contêm mercúrio como componente, que é tóxico. Ele penetra em qualquer organismo vivo pela pele, ou por outras vias, e não é eliminado nunca. Sua ação deletéria é cumulativa ao longo da vida do ser exposto, daí a necessidade de eliminar toda e qualquer possível contaminação.

Envenenamento por compostos orgânicos contendo mercúrio foram inicialmente observados e identificados nos anos 50, no Japão, em seguida ao que ficaria conhecido como Doença de Minamata. Nessa localidade, Minamata, detritos contendo mercúrio eram lançados ao mar contaminando os peixes do local que, por meio de sua ingestão, contaminaram um grande número de pessoas e animais. Fatos semelhantes foram observados em outros países como a Guatemala, Irã e Paquistão. A partir daí muitos estudos foram feitos, e leis protetoras vêm sendo aplicadas.

No caso do mercúrio-cromo e merthiolate o uso é eventual e a contaminação é pequena, o que não é considerado um perigo à saúde. Logo, não há nenhum motivo para pânico. As medidas de proteção já foram tomadas e outros bactericidas sem mercúrio serão, sem dúvida, disponibilizados para a população.

Comentários